PSDB tentará criar quatro CPIs em 2015

spot_img
Compartilhe:

aecio-neves-psdb-entrevista  O PSDB começará a nova legislatura no Congresso Nacional mirando a criação de quatro comissões parlamentares de inquérito (CPIs) para investigar questões da Petrobras, do setor elétrico, de fundos de pensão e bancos públicos.

Na avaliação de líderes do PSDB e do presidente do partido, senador Aécio Neves (MG), 2015 será um ano de dificuldades para o governo federal. Segundo Aécio, essas dificuldades se devem, em parte, à frustração gerada após tantas expectativas positivas apresentadas pela presidenta Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral.

“A cada dia que passa, comprova-se que nossos alertas [feitos durante a campanha eleitoral] eram os alertas corretos. A presidenta da República não permitiu que o Brasil debatesse, durante a campanha, medidas para a superação da crise. Vendeu um país da fantasia, de conto da carochinha, no qual o Brasil crescia com pleno emprego e não havia necessidade de qualquer ajuste. Hoje, o custo dos ajustes é muito mais alto pela irresponsabilidade do governo, que não tomou, no momento que deveria ter tomado, as providências necessárias para conter esses equívocos”, disse hoje (30) Aécio, ao chegar à reunião da bancada do partido, no hotel Royal Tulip, em Brasília.

O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), companheiro de chapa de Aécio na eleição presidencial, concorda e diz que este “será um ano de grande confusão, tanto no âmbito político como no social para a presidenta Dilma Rousseff, que está cercada de más notícias”.

O senador defendeu a criação de CPIs no Congresso Nacional, “não para pressionar o governo federal, mas para colaborar com os órgãos que já estão investigando esses problemas”, disse ele, referindo-se ao Ministério Público, à Polícia Federal e ao Tribunal de Contas da União. Para o senador paulista, CPIs dão repercussão política, com pessoas falando para esclarecer fatos.

Tanto Aécio Neves quanto o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy (BA), defenderam a instalação de CPIs para aputar denúncias de irregularidades na Petrobras, no setor elétrico, nos fundos de pensão e nos bancos públicos. “Devemos centrar fileiras para, imediatamente, colher as assinaturas necessárias para a recriação da CPMI [Comissão Parlamentar Mista de Inquérito] da Petrobras, além de outras que estão sendo cogitadas. Temos a responsabilidade, enquanto fiscalizadores do Executivo, de avançar nessas investigações”, afirmou Aécio.

“Temos informações de que os bancos públicos têm sido usados para privilegiar grupos amigos. Já o setor elétrico tem de ser investigado porque, além da crise e da desorganização, teve [a presidenta] Dilma Rousseff como autoridade”, reforçou Imbassahy.

Os parlamentares manifestaram apoio às candidaturas de Júlio Delgado (PSB-MG) à presidência da Câmara, e de Luiz Henrique (PMDB-SC) à presidência do Senado. “O caminho natural do PSDB é fortalecer a candidatura de Delgado, que, a meu ver, é a que tem melhores condições de garantir a independência fundamental que a Câmara dos Deputados não teve nos últimos anos. No Senado, não é diferente. A candidatura de Luiz Henrique atende à mesma aspiração: que não tenhamos um Legislativo acuado, submisso e, principalmente, submetido às vontades e orientações do Palácio do Planalto”, disse Aécio.

“Os presidentes das duas casas precisam de responsabilidade e de apoio político e social. O Luiz Henrique é um candidato com longa tradição democrática dentro do PMDB. É equilibrado, e não fará uma gestão nem de oposição nem de situação”, justificou Aloysio Nunes Ferreira. Para Imbassahy, o apoio a Júlio Delgado confirma a parceria que já vem sendo formada entre o PSB e o PSDB. “Temos no PSB uma parceria importante, e a maioria deles [deputados] quer formar conosco um bloco de oposição”, disse o líder tucano na Cãmara.

 

Edição: Veja Timon

Via: Agência Brasil

Compartilhe:
Veja Timon
Veja Timonhttps://vejatimon.com
O Veja Timon foi desenvolvido para suprir os timonenses com informações de um modo geral, onde a política não venha ser o foco central. Um site diversificado e imparcial, trabalhamos para levar um conteúdo de relevância para cidade. Veja Timon - Junto Com o Povo

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Vagas temporárias: especialista dá dicas para se destacar nas seleções

Varejo e serviços devem abrir 95 mil vagas temporárias para o fim de ano Por Elainy Castro Segundo levantamento realizado em todas as regiões do Brasil...

São Luís está entre os 20 destinos nacionais mais procurados na Black Friday, segundo a Decolar

São Luís foi apontada como um dos 20 destinos mais procurados durante a campanha de Black Friday da companhia de viagens on-line Decolar. A...

TRF1 aceita denúncia do MPF contra prefeito de Pinheiro (MA) e mais seis pessoas por fraudes e desvio de recursos

Eles responderão por crimes de responsabilidade, lavagem de capitais e organização criminosa, na medida de suas participações Por unanimidade, o Tribunal Regional Federal da 1ª...
aecio-neves-psdb-entrevista  O PSDB começará a nova legislatura no Congresso Nacional mirando a criação de quatro comissões parlamentares de inquérito (CPIs) para investigar questões da Petrobras, do setor elétrico, de fundos de pensão e bancos públicos. Na avaliação de líderes do PSDB e do presidente do partido, senador Aécio Neves (MG), 2015 será um ano de dificuldades para o governo federal. Segundo Aécio, essas dificuldades se devem, em parte, à frustração gerada após tantas expectativas positivas apresentadas pela presidenta Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral. "A cada dia que passa, comprova-se que nossos alertas [feitos durante a campanha eleitoral] eram os alertas corretos. A presidenta da República não permitiu que o Brasil debatesse, durante a campanha, medidas para a superação da crise. Vendeu um país da fantasia, de conto da carochinha, no qual o Brasil crescia com pleno emprego e não havia necessidade de qualquer ajuste. Hoje, o custo dos ajustes é muito mais alto pela irresponsabilidade do governo, que não tomou, no momento que deveria ter tomado, as providências necessárias para conter esses equívocos", disse hoje (30) Aécio, ao chegar à reunião da bancada do partido, no hotel Royal Tulip, em Brasília. O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), companheiro de chapa de Aécio na eleição presidencial, concorda e diz que este "será um ano de grande confusão, tanto no âmbito político como no social para a presidenta Dilma Rousseff, que está cercada de más notícias". O senador defendeu a criação de CPIs no Congresso Nacional, "não para pressionar o governo federal, mas para colaborar com os órgãos que já estão investigando esses problemas”, disse ele, referindo-se ao Ministério Público, à Polícia Federal e ao Tribunal de Contas da União. Para o senador paulista, CPIs dão repercussão política, com pessoas falando para esclarecer fatos. Tanto Aécio Neves quanto o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy (BA), defenderam a instalação de CPIs para aputar denúncias de irregularidades na Petrobras, no setor elétrico, nos fundos de pensão e nos bancos públicos. "Devemos centrar fileiras para, imediatamente, colher as assinaturas necessárias para a recriação da CPMI [Comissão Parlamentar Mista de Inquérito] da Petrobras, além de outras que estão sendo cogitadas. Temos a responsabilidade, enquanto fiscalizadores do Executivo, de avançar nessas investigações", afirmou Aécio. “Temos informações de que os bancos públicos têm sido usados para privilegiar grupos amigos. Já o setor elétrico tem de ser investigado porque, além da crise e da desorganização, teve [a presidenta] Dilma Rousseff como autoridade”, reforçou Imbassahy. Os parlamentares manifestaram apoio às candidaturas de Júlio Delgado (PSB-MG) à presidência da Câmara, e de Luiz Henrique (PMDB-SC) à presidência do Senado. "O caminho natural do PSDB é fortalecer a candidatura de Delgado, que, a meu ver, é a que tem melhores condições de garantir a independência fundamental que a Câmara dos Deputados não teve nos últimos anos. No Senado, não é diferente. A candidatura de Luiz Henrique atende à mesma aspiração: que não tenhamos um Legislativo acuado, submisso e, principalmente, submetido às vontades e orientações do Palácio do Planalto", disse Aécio. “Os presidentes das duas casas precisam de responsabilidade e de apoio político e social. O Luiz Henrique é um candidato com longa tradição democrática dentro do PMDB. É equilibrado, e não fará uma gestão nem de oposição nem de situação”, justificou Aloysio Nunes Ferreira. Para Imbassahy, o apoio a Júlio Delgado confirma a parceria que já vem sendo formada entre o PSB e o PSDB. “Temos no PSB uma parceria importante, e a maioria deles [deputados] quer formar conosco um bloco de oposição”, disse o líder tucano na Cãmara.   Edição: Veja Timon Via: Agência Brasil