Quem matou Terceiro Waquim? A pergunta não cala!

spot_img
Compartilhe:

Essa é a pergunta feita em todas às rodas de conversas em Timon.

As pessoas, entre olhares, se cutucam e até se manifestam sobre a demora e o silêncio ensurdecedor das autoridades de segurança do Estado, e de Timon, particularmente, sobre a execução do jovem empresário.

A população teme que esse seja mais um dos crimes bárbaros que se tem conhecimento na cidade, mas que até hoje a polícia não desvendou e chegou aos autores dos crimes insolúveis.

Assassinato de Seu Boneco: crime insolúvel

Nos últimos anos, tivemos alguns crimes insolúveis em Timon, como por exemplo, o do assassinato do servidor público Edimar de Sousa, o “Seu Boneco”, alvejado fora de seu carro quando tentava fugir de alguém na zona rural de timon. Morto em 2015, até hoje a PC não concluiu a investigação.

Em 2019, o empreiteiro Zadoque de Sousa Tomás foi assassinado. O crime aconteceu no povoado Açude, na zona rural do município, mas até hoje não se sabe quem o assassinou.

Várias manifestações foram feitas pela cidade, por familiares, amigos e pela sociedade cobrando por justiça pela morte de Terceiro Waquim, mas até agora a polícia do Maranhão e de Timon, não se manifestaram sobre o caso.

Além desses três crimes citados, inúmeros outros figuram nas listas dos crimes sem solução em Timon. Mas enquanto isso, outros inúmeros crimes cometidos em Timon, onde os autores foram presos e identificados, não se tem uma resposta sobre julgamento, sentenças e condenações e pessoas que cometerem, inclusive, crimes considerados hediondos, circulam livres pela cidade sem punição cabível.

É isso!

 

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Glossário Doce: Demerara, mascavo, refinado, cristal, de coco… conheça as diferenças entre os vários tipos de açúcar

Por Elainy Castro Lá está você, passando pelo corredor onde fica o açúcar, no supermercado e se depara com várias opções: açúcar refinado, demerara, cristal,...

SEMDES: Cras Vila João Reis reúne gestantes para entrega de enxovais e palestra interativa

Na ultima sexta-feira (02), a equipe do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) João Reis reuniu as gestantes para um momento de descontração...

Vacinação de Natal atrai público para prevenção contra Influenza e Covid-19

Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou mais uma estratégia para avançar na vacinação dos...

Essa é a pergunta feita em todas às rodas de conversas em Timon.

As pessoas, entre olhares, se cutucam e até se manifestam sobre a demora e o silêncio ensurdecedor das autoridades de segurança do Estado, e de Timon, particularmente, sobre a execução do jovem empresário. A população teme que esse seja mais um dos crimes bárbaros que se tem conhecimento na cidade, mas que até hoje a polícia não desvendou e chegou aos autores dos crimes insolúveis.
Assassinato de Seu Boneco: crime insolúvel
Nos últimos anos, tivemos alguns crimes insolúveis em Timon, como por exemplo, o do assassinato do servidor público Edimar de Sousa, o “Seu Boneco”, alvejado fora de seu carro quando tentava fugir de alguém na zona rural de timon. Morto em 2015, até hoje a PC não concluiu a investigação. Em 2019, o empreiteiro Zadoque de Sousa Tomás foi assassinado. O crime aconteceu no povoado Açude, na zona rural do município, mas até hoje não se sabe quem o assassinou. Várias manifestações foram feitas pela cidade, por familiares, amigos e pela sociedade cobrando por justiça pela morte de Terceiro Waquim, mas até agora a polícia do Maranhão e de Timon, não se manifestaram sobre o caso. Além desses três crimes citados, inúmeros outros figuram nas listas dos crimes sem solução em Timon. Mas enquanto isso, outros inúmeros crimes cometidos em Timon, onde os autores foram presos e identificados, não se tem uma resposta sobre julgamento, sentenças e condenações e pessoas que cometerem, inclusive, crimes considerados hediondos, circulam livres pela cidade sem punição cabível. É isso!