TSE nega pedido de cassação e mantém válida candidatura de ex-ministro Sergio Moro ao Senado

spot_img
Compartilhe:

Federação formada por PT, PCdoB e PV contestou candidatura de ex-juiz da Lava Jato alegando que Moro não se filiou ao União Brasil dentro do prazo legal. Para TSE, requisitos foram cumpridos.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (15), por unanimidade, que é válida a candidatura ao Senado do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (União Brasil), que foi eleito pelo Paraná.

A cassação da candidatura foi pedida pela Federação Brasil da Esperança do Paraná (FE Brasil, composta por PTPCdoB e PV), alegando que Moro não tinha filiação partidária válida no estado dentro do prazo legal. O mesmo pedido já havia sido negado pelo TRE do Paraná.

Até março, Moro estava filiado ao Podemos do Paraná. Ele deixou o partido e foi para o União Brasil de São Paulo.

Em junho, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo cancelou a transferência de seu domicílio eleitoral, por considerar que ele não tinha vínculo para concorrer na capital paulista. Moro, então, decidiu concorrer pelo Paraná.

O relator do recurso, ministro Raul Araújo, afirmou que foram satisfeitas as condições de elegibilidade, por isso, rejeitou o recurso.

Nas eleições de outubro, Sergio Moro recebeu 1,9 milhão de votos no Paraná. Ele superou o jornalista Paulo Martins (PL) e o atual senador Alvaro Dias (Pode-PR), que ficou em terceiro lugar e deixará o Congresso em 2023.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

De um milhão e 200 mil levados pelo funcionário do BB de Teresina, polícia só recuperou 41 mil

O funcionário alega estar passando por problemas psicológicos, mas cadê o dinheiro? Quanto ele subtraiu do banco? O bancário de 39 anos suspeito de furtar R$...

Confira quatro dicas para empreender em 2023

Por Elainy Castro Empreender é um sonho comum de muitos brasileiros. Esse é um caminho que pode trazer realização profissional e sucesso financeiro, além disso,...

No mesmo dia: Reeleitos, Lira e Pacheco rompem com Bolsonaro, mas deixam recado ao STF

Colunista do jornal "O Globo" avalia que o pior cenário para o Supremo seria a vitória de Rogério Marinho. Mas reeleição de Lira e...

Federação formada por PT, PCdoB e PV contestou candidatura de ex-juiz da Lava Jato alegando que Moro não se filiou ao União Brasil dentro do prazo legal. Para TSE, requisitos foram cumpridos.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (15), por unanimidade, que é válida a candidatura ao Senado do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (União Brasil), que foi eleito pelo Paraná.
A cassação da candidatura foi pedida pela Federação Brasil da Esperança do Paraná (FE Brasil, composta por PTPCdoB e PV), alegando que Moro não tinha filiação partidária válida no estado dentro do prazo legal. O mesmo pedido já havia sido negado pelo TRE do Paraná.
Até março, Moro estava filiado ao Podemos do Paraná. Ele deixou o partido e foi para o União Brasil de São Paulo.
Em junho, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo cancelou a transferência de seu domicílio eleitoral, por considerar que ele não tinha vínculo para concorrer na capital paulista. Moro, então, decidiu concorrer pelo Paraná.
O relator do recurso, ministro Raul Araújo, afirmou que foram satisfeitas as condições de elegibilidade, por isso, rejeitou o recurso.
Nas eleições de outubro, Sergio Moro recebeu 1,9 milhão de votos no Paraná. Ele superou o jornalista Paulo Martins (PL) e o atual senador Alvaro Dias (Pode-PR), que ficou em terceiro lugar e deixará o Congresso em 2023.