spot_img
spot_img

Pesquisadores da UEMA encontram Cavernas na região de Presidente Dutra

spot_img
Compartilhe:

Professores acreditam que as cavernas maranhenses podem
ser exploradas turisticamente e impulsionar a economia dos
municípios.

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), por meio do geógrafo e pesquisador Cláudio
Castro, acompanhado de um grupo de alunos, está realizando no município de Presidente
Dutra e região, a pesquisa “Revelando o mundo cárstico nos arenitos”.

Os alunos que participam dos estudos espeleológicos com o professor são: Edelson Leitão
Maciel, Janderson Silva, Flávia Martins Silva, Alison André Leal Pinheiro, por projetos de
Iniciação Científica e de mestrado.

Com os estudos, que tiveram início em 2021, o professor pretende revelar o que o Maranhão tem de cavernas e o que elas contêm de singular. Ele acredita que elas podem oferecer para o Estado um grande potencial turístico pela beleza que existe no município e adjacências, sem falar nas novas espécies que ainda podem ser descobertas, bem como recursos arqueológicos e a natureza que a população precisa conhecer.
“Esses estudos que estamos fazendo para conhecimento do Maranhão e do mundo são
extremamente importantes e, nessa região, por ser um divisor de águas das bacias dos rios Itapecuru e Parnaíba, eu consigo ter um subsídio muito forte para outras pesquisas que virão no futuro”, disse Cláudio.

O pesquisador, que é docente do curso de Geografia da UEMA, explica que escolheuSistema de Apoio à Comunicação Integrada (SACI) Copyright© UFSCar-UFPR Presidente Dutra para realizar suas pesquisas porque o município está se desenvolvendo
rapidamente, recebe o transporte da soja, a pecuária  cresce muito e, alí, estão se instalando novas instituições de ensino superior.

“É importante perceber o avanço da cidade que está em franco crescimento no campo e na
área urbana, bem como saber que existe o elemento caverna nesse universo, por isso, é
fundamental conhecer essas cavernas”, declara o pesquisador. “E porque Presidente
Dutra”?  Continua Cláudio, “não só por este quadro apresentado, mas por estar na divisa da bacia do Itapecuru com o Parnaíba”, explica.

Conforme esclarece o professor, “alí constam formações distintas da geologia, da
geomorfologia, do relevo das duas bacias hidrográficas, inclusive, conseguimos encontrar,
até agora, cavernas na bacia do rio Parnaíba, e, ainda, temos notificações de outras
cavernas na bacia do rio Itapecuru, onde será dado prosseguimento das pesquisas mais
tarde”,  ressalta.

O professor Claudio Castro enfatizou que, como os estudos visam alcançar um resultado de
extrema relevância para a sociedade, a fauna e a flora, as cavernas, além de serem uma
formação de relevo dentro de uma geologia, abrigam vida e, por isso, são diferentes de uma árvore, por exemplo. Então, são de vidas de uma fauna exclusiva de cavernas que precisam ser conhecidas, por serem raras.

“Por serem abrigos, no passado, essas cavernas serviram como ambientes de ancestrais
dos povos originários que conhecemos hoje. Esses povos que estavam aqui quando os
europeus chegaram, seus antepassados já viviam nesses locais. Temos que conhecer todo
esse universo, para isso, precisamos fazer uma pesquisa de base, topografar essas
cavernas, identificá-las e cadastrá-las’, esclarece o professor Cláudio. Fonte\Secom-MA.

Compartilhe:
spot_img

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

spot_img

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Novidade: troque suas lâmpadas incandescentes por novas de LED nos postos E+ Reciclagem

Lançado em 2011, o projeto faz parte do Programa de Eficiência Energética da Equatorial e agora conta com mais serviços para a comunidade A Equatorial...

Em Teresina, pesquisadora da Fiocruz destaca avanços para baratear tratamento de imunoterapia a pacientes com câncer

Pesquisadora também destaca os desafios do Nordeste no enfrentamento a cânceres evitáveis As pesquisas e os avanços mais recentes relacionados ao diagnóstico, manejo e tratamento...

Dia dos Povos Indígenas: Equatorial alerta que 5.568 famílias poderiam economizar na conta com a Tarifa Social

Dia 19 de abril é comemorado o Dia dos Povos Indígenas e a Equatorial Maranhão alerta que 5.568 famílias indígenas estão deixando de receber...