‘Cola’ de Bolsonaro foi proposital e campanha comemora que Anitta ‘caiu’…

spot_img
Compartilhe:
Anitta caiu na estratégia e divulgou em sua rede social estimulando pesquisa aos temas como queria Bolsonaro
Flávio Dino, adversário de Bolsonaro, também caiu na pegadinha de Bolsonaro e divulgou a colinha em seu twiter

Foi proposital e fazia parte de uma estratégia do presidente Jair Bolsonaro (PL) a ideia de mostrar uma ‘cola’ em sua mão durante a entrevista ao Jornal Nacional na última segunda-feira (22).

O objetivo era atiçar a curiosidade dos telespectadores e mobilizar as redes sociais em torno de termos associados à esquerda, de forma negativa. Segundo apurou a coluna, a escolha das palavras (“Nicarágua”, “Argentina”, “Colômbia” e “Dario Messer”) foi de Bolsonaro, mas a ideia também teve o estímulo do filho do presidente, vereador Carlos Bolsonaro, e de integrantes do chamado gabinete do ódio, uma ala mais ideológica do governo que trabalha para viralizar conteúdos de interesse do presidente.

No último domingo, Carlos e outros auxiliares de Bolsonaro tiveram uma reunião no Palácio da Alvorada justamente para pensar em formas de gerar conteúdo para as redes sociais após a entrevista. As informações foram divulgadas no podcast do UOL, o Radar das Eleições. Logo depois da entrevista, canais bolsonaristas no aplicativo Telegram começaram a compartilhar mensagens afirmando, por exemplo, que na Nicarágua há “perseguição contra Cristão, para lembrar que Lula defende os regimes autoritários”. Os apoiadores do presidente também passaram a divulgar mensagens de que o doleiro Dario Messer supostamente repassaria dinheiro à família Marinho, dona da TV Globo. Em delação ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro em 2020, o doleiro teria dito que, durante a década de 90, entregava “em várias ocasiões” quantias entre US$ 50 mil e US$ 300 mil a integrantes da família Marinho. À época, durante a edição do Jornal Nacional, a Globo negou as acusações.

Auxiliares do presidente lembraram ainda que a ferramenta de usar palavras na mão já foi utilizada na campanha de 2018, quando antes de um debate ele escreveu as palavras: ‘pesquisa’, ‘armas’ e ‘Lula’. Apesar de não ser novidade, a campanha comemorou o fato de a cantora Anitta ter compartilhado uma foto com a cola na mão de Bolsonaro, o que, na avaliação deles, pode gerar engajamento “para além da bolha”. Bolsonaro preferiu ironizar a postagem da cantora, escreveu “Obrigado, Anitta” e fez o que queria: pediu aos seguidores que pesquisassem os temas…. O ex-governador do Maranhão e candidato ao senado Flávio Dino também caiu na pegadinha do presidente Bolsonaro.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

São Luís está entre os 20 destinos nacionais mais procurados na Black Friday, segundo a Decolar

São Luís foi apontada como um dos 20 destinos mais procurados durante a campanha de Black Friday da companhia de viagens on-line Decolar. A...

TRF1 aceita denúncia do MPF contra prefeito de Pinheiro (MA) e mais seis pessoas por fraudes e desvio de recursos

Eles responderão por crimes de responsabilidade, lavagem de capitais e organização criminosa, na medida de suas participações Por unanimidade, o Tribunal Regional Federal da 1ª...

Facebook deve restituir conta invadida e pagar indenização a usuário

O Juizado Cível e Criminal da cidade de Codó condenou a plataforma social Facebook a restabelecer a conta de usuário Tiago Tales Silva Sousa,...
Anitta caiu na estratégia e divulgou em sua rede social estimulando pesquisa aos temas como queria Bolsonaro
Flávio Dino, adversário de Bolsonaro, também caiu na pegadinha de Bolsonaro e divulgou a colinha em seu twiter
Foi proposital e fazia parte de uma estratégia do presidente Jair Bolsonaro (PL) a ideia de mostrar uma 'cola' em sua mão durante a entrevista ao Jornal Nacional na última segunda-feira (22). O objetivo era atiçar a curiosidade dos telespectadores e mobilizar as redes sociais em torno de termos associados à esquerda, de forma negativa. Segundo apurou a coluna, a escolha das palavras ("Nicarágua", "Argentina", "Colômbia" e "Dario Messer") foi de Bolsonaro, mas a ideia também teve o estímulo do filho do presidente, vereador Carlos Bolsonaro, e de integrantes do chamado gabinete do ódio, uma ala mais ideológica do governo que trabalha para viralizar conteúdos de interesse do presidente. No último domingo, Carlos e outros auxiliares de Bolsonaro tiveram uma reunião no Palácio da Alvorada justamente para pensar em formas de gerar conteúdo para as redes sociais após a entrevista. As informações foram divulgadas no podcast do UOL, o Radar das Eleições. Logo depois da entrevista, canais bolsonaristas no aplicativo Telegram começaram a compartilhar mensagens afirmando, por exemplo, que na Nicarágua há "perseguição contra Cristão, para lembrar que Lula defende os regimes autoritários". Os apoiadores do presidente também passaram a divulgar mensagens de que o doleiro Dario Messer supostamente repassaria dinheiro à família Marinho, dona da TV Globo. Em delação ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro em 2020, o doleiro teria dito que, durante a década de 90, entregava "em várias ocasiões" quantias entre US$ 50 mil e US$ 300 mil a integrantes da família Marinho. À época, durante a edição do Jornal Nacional, a Globo negou as acusações. Auxiliares do presidente lembraram ainda que a ferramenta de usar palavras na mão já foi utilizada na campanha de 2018, quando antes de um debate ele escreveu as palavras: 'pesquisa', 'armas' e 'Lula'. Apesar de não ser novidade, a campanha comemorou o fato de a cantora Anitta ter compartilhado uma foto com a cola na mão de Bolsonaro, o que, na avaliação deles, pode gerar engajamento "para além da bolha". Bolsonaro preferiu ironizar a postagem da cantora, escreveu "Obrigado, Anitta" e fez o que queria: pediu aos seguidores que pesquisassem os temas.... O ex-governador do Maranhão e candidato ao senado Flávio Dino também caiu na pegadinha do presidente Bolsonaro.