Promotor recomenda suspensão do show de João Gomes em Timon

spot_img
Compartilhe:

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco a população timonense diante da inevitável procura de teresinenses por festas neste município.

Sérgio Martins recomenda a suspensão do show sertanejo em Timon

Diante de inúmeros argumentos, mas decisivamente entendendo que o show de um cantor como o Sertanejo João Gomes, assim como toda estrutura para sua apresentação em Timon tem um custo altíssimo para o município, assim com também, a Instrução Normativa no 54/2018 do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, publicada no Diário Eletrônico do TCE em 31/08/2021, que considerou ilegítimas as despesas com festividades bancadas pelo poder público quando esteja com estado de calamidade ou emergência decretado, o promotor Sérgio Martins, da 05 ª Promotoria de Justiça Especializada da Comarca de Timon, recomenda à prefeita Dinair Veloso A suspensão do show de apresentação do cantor João Gomes, a ser realizado no dia 21 de dezembro do corrente
ano, bem como não utilizar recursos públicos para a organização e realização do evento mencionado, diante das razões acima expostas, de modo a atender os princípios da razoabilidade, proporcionalidade, eficiência, economicidade e interesse público.

CONSIDERANDO que os gestores públicos devem realizar um planejamento
inicial à vista das limitações orçamentárias do município, a fim de não comprometer
os recursos institucionais;
CONSIDERANDO as regras infraconstitucionais que regulamentam a
contratação de shows e espetáculos artísticos pela administração pública, em
especial, a Lei de Licitações e Contratos, uma vez que o gestor público não poderá
contratar artistas como bem lhe aprouver e sua atuação deve ser balizada sob o
império da lei, que exige um procedimento formal de contratação, ainda que
inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição;
CONSIDERANDO a crise financeira pela qual o país ainda passa, devido à
pandemia, empobrecendo a população mais ainda;
CONSIDERANDO que em tempos de crise, os recursos públicos devem ser
canalizados para os serviços essenciais e contínuos, primando pela qualidade deles,
a exemplo da saúde, infraestrutura, saneamento básico, os quais não gozam de bom
conceito perante a população;
CONSIDERANDO que a gestão municipal vai aportar recursos de grande
monta em atividade que não reflete as prioridades estabelecidas pela Constituição, a
exemplo do gasto a ser realizado com a contratação do artista João Gomes;
CONSIDERANDO que tal evento de grande porte, além de tentar violar
decretos e portarias estaduais, colocam em risco iminente a população, de forma
geral, considerando o risco (concreto) de aumento de contágio do COVID-19 e suas
variantes; dada a grande aglomeração popular, ainda que em espaço a céu aberto;

O promotor também considera que: este município de Timon faz parte da RIDE da Grande
Teresina, não sendo razoável e prudente, neste momento, que a cidade de Timon
tome medida mais flexível do que a cidade Teresina, sobretudo após a publicação do
Decreto estadual nº 21644/2022, da lavra da Governadora do Estado do Piauí, eis
que fazendo assim poderá pôr em risco a população timonense diante da inevitável
procura de teresinenses por festas neste município, ressaltando-se ainda que até a
presente data este Município continua silente quanto a publicação de medidas de
proteção como as do Decreto acima mencionado;
CONSIDERANDO que não temos dados claros, atuais e específicos da real
situação pandêmica em Timon, conclusões extraídas do Portal da Transparência
deste município, consoante informações extraídas, nesta data, através do link:
http://www.timon.ma.gov.br/coronavirus/category/boletinsepidemiologicos/, com
última atualização de situação epidemiológica somente em 23/04/2022, denotando
maior cautela, a míngua da clareza e publicidade fática de enfrentamento a pandemia
da SARS-COV-2.

O MINISTÉRIO PÚBLICO adverte que a presente recomendação dá ciência e constitui em mora o destinatário quanto às providências solicitadas, podendo a
omissão na adoção das medidas recomendadas implicar o manejo de todas as
medidas administrativas e ações judiciais cabíveis contra os que se mantiverem
inertes.
Nesse passo, com fundamento no art. 8º, II, da Lei Complementar nº 75/93,
REQUISITA-SE, desde logo, que Vossa Excelência informe, no prazo de 48
(quarenta e oito) horas, a contar do recebimento desta, informe, com a respectiva
comprovação, por escrito, sobre o acatamento, ou não, da aludida recomendação, a
fim de que sejam adotadas providências na esfera judicial para resguardo do
interesse público, sem prejuízo de eventuais ações no âmbito cível e criminal, em
face do gestor público.

A promotor também ressalta a importância de para melhor conhecimento e divulgação, determino a remessa de cópias da presente recomendação:
1. Ao Presidente da Câmara de Vereadores de Timon, para fins de
conhecimento;
2. Ao Centro de Apoio Operacional de Defesa do Patrimônio Público
da Probidade Administrativa, para ciência;
3. Aos veículos de imprensa locais.
4. Para a biblioteca da PGJ, para fins de publicação do seu inteiro teor
no Diário oficial do Ministério Público;

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Deputados Estaduais tomam posse para 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão

Os deputados eleitos para a 20ª legislatura da Assembleia Legislativa do Maranhão foram empossados na manhã desta quarta-feira (1º), no Plenário Nagib Haickel. O...

Vai doer no bolso: desoneração dos combustíveis está com os dias contados

No começo deste ano, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prolongou a desoneração dos combustíveis por mais 60 dias para álcool...

Semdes encerra “janeiro branco” com palestra na rede de assistência social em Timon

O Projeto “Vamos Conversar” desenvolvido pelas facilitadoras do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Vila João Reis, que aborda temas relevantes para os...

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco a população timonense diante da inevitável procura de teresinenses por festas neste município.

Sérgio Martins recomenda a suspensão do show sertanejo em Timon
Diante de inúmeros argumentos, mas decisivamente entendendo que o show de um cantor como o Sertanejo João Gomes, assim como toda estrutura para sua apresentação em Timon tem um custo altíssimo para o município, assim com também, a Instrução Normativa no 54/2018 do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, publicada no Diário Eletrônico do TCE em 31/08/2021, que considerou ilegítimas as despesas com festividades bancadas pelo poder público quando esteja com estado de calamidade ou emergência decretado, o promotor Sérgio Martins, da 05 ª Promotoria de Justiça Especializada da Comarca de Timon, recomenda à prefeita Dinair Veloso A suspensão do show de apresentação do cantor João Gomes, a ser realizado no dia 21 de dezembro do corrente ano, bem como não utilizar recursos públicos para a organização e realização do evento mencionado, diante das razões acima expostas, de modo a atender os princípios da razoabilidade, proporcionalidade, eficiência, economicidade e interesse público. CONSIDERANDO que os gestores públicos devem realizar um planejamento inicial à vista das limitações orçamentárias do município, a fim de não comprometer os recursos institucionais; CONSIDERANDO as regras infraconstitucionais que regulamentam a contratação de shows e espetáculos artísticos pela administração pública, em especial, a Lei de Licitações e Contratos, uma vez que o gestor público não poderá contratar artistas como bem lhe aprouver e sua atuação deve ser balizada sob o império da lei, que exige um procedimento formal de contratação, ainda que inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição; CONSIDERANDO a crise financeira pela qual o país ainda passa, devido à pandemia, empobrecendo a população mais ainda; CONSIDERANDO que em tempos de crise, os recursos públicos devem ser canalizados para os serviços essenciais e contínuos, primando pela qualidade deles, a exemplo da saúde, infraestrutura, saneamento básico, os quais não gozam de bom conceito perante a população; CONSIDERANDO que a gestão municipal vai aportar recursos de grande monta em atividade que não reflete as prioridades estabelecidas pela Constituição, a exemplo do gasto a ser realizado com a contratação do artista João Gomes; CONSIDERANDO que tal evento de grande porte, além de tentar violar decretos e portarias estaduais, colocam em risco iminente a população, de forma geral, considerando o risco (concreto) de aumento de contágio do COVID-19 e suas variantes; dada a grande aglomeração popular, ainda que em espaço a céu aberto; O promotor também considera que: este município de Timon faz parte da RIDE da Grande Teresina, não sendo razoável e prudente, neste momento, que a cidade de Timon tome medida mais flexível do que a cidade Teresina, sobretudo após a publicação do Decreto estadual nº 21644/2022, da lavra da Governadora do Estado do Piauí, eis que fazendo assim poderá pôr em risco a população timonense diante da inevitável procura de teresinenses por festas neste município, ressaltando-se ainda que até a presente data este Município continua silente quanto a publicação de medidas de proteção como as do Decreto acima mencionado; CONSIDERANDO que não temos dados claros, atuais e específicos da real situação pandêmica em Timon, conclusões extraídas do Portal da Transparência deste município, consoante informações extraídas, nesta data, através do link: http://www.timon.ma.gov.br/coronavirus/category/boletinsepidemiologicos/, com última atualização de situação epidemiológica somente em 23/04/2022, denotando maior cautela, a míngua da clareza e publicidade fática de enfrentamento a pandemia da SARS-COV-2. O MINISTÉRIO PÚBLICO adverte que a presente recomendação dá ciência e constitui em mora o destinatário quanto às providências solicitadas, podendo a omissão na adoção das medidas recomendadas implicar o manejo de todas as medidas administrativas e ações judiciais cabíveis contra os que se mantiverem inertes. Nesse passo, com fundamento no art. 8º, II, da Lei Complementar nº 75/93, REQUISITA-SE, desde logo, que Vossa Excelência informe, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, a contar do recebimento desta, informe, com a respectiva comprovação, por escrito, sobre o acatamento, ou não, da aludida recomendação, a fim de que sejam adotadas providências na esfera judicial para resguardo do interesse público, sem prejuízo de eventuais ações no âmbito cível e criminal, em face do gestor público. A promotor também ressalta a importância de para melhor conhecimento e divulgação, determino a remessa de cópias da presente recomendação: 1. Ao Presidente da Câmara de Vereadores de Timon, para fins de conhecimento; 2. Ao Centro de Apoio Operacional de Defesa do Patrimônio Público da Probidade Administrativa, para ciência; 3. Aos veículos de imprensa locais. 4. Para a biblioteca da PGJ, para fins de publicação do seu inteiro teor no Diário oficial do Ministério Público;