Terceirizados de Timon são “forçados” a pedir demissão para ter o que comer e alimentar a família

spot_img
Compartilhe:

Deixou de ser uma situação triste e caótica para se transformar em um drama de sobrevivência a vida dos terceirizados contratados pelo ex-prefeito Luciano Leitoa através da empresa Mega on, que alega não receber os repasses para saldar débitos de quatro meses de salários atrasados. Enquanto centenas resistem indo trabalhar cumprir suas tarefas do dia-a-dia mesmo sem receber um centavo, outros estão indo a lona nocauteados pela insensatez do ex-prefeito e da atual governante de Timon Dinair Veloso, que fecha os olhos ao problema entendendo que isso não responsabilidade sua.

Ontem, 12, em Whatsapp ao blog um terceirizado disse ter desistido de receber os atrasados ou permanecer trabalhando sem receber e pediu demissão, mesmo sabendo que em valores perderá metade do que conseguiu amealhar com o tempo trabalhado e esse deve ser o caminho de muitos terceirizados que têm família pra sustentar e não aguentam mais ficar sem dinheiro. Parece até que tanto o governo quanto à empresa estão forçando essa casta de miseráveis a esse fim: pedir demissão para não receber o que lhe é devido de direito.

Na ponta de tudo isso, está a imprensa, que no caso do blogdoribinha, se sente impotente no aspecto de busca de soluções como desejam os signatários das denúncias, do outro lado está a prefeitura e seus gestores passado e atual, que insensíveis aos problemas desses miseráveis, tratam os como lixos humanos.

No meio disso tudo os órgãos fiscalizadores, como o ministério público, por exemplo, incapaz de agir em nome da sociedade que eles dizem ser os verdadeiros guardiões.

Tudo balela!

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Lula diz que Gleisi não será ministra e que só anuncia equipe após ser diplomado pelo TSE

Presidente eleito deu declarações onde atua equipe de transição; diplomação no TSE está marcada para 12 de dezembro. Lula disse que '80%' do ministério...

Promotor recomenda suspensão do show de João Gomes em Timon

Além do alto custo com contrato do cantor para os cofres do município, o promotor Sérgio Martins diz que a festa põe em risco...

Após 23 anos, médica Amariles Borba pede exoneração da FMS

A médica Amariles de Sousa Borba pediu exoneração da Fundação Municipal de Saúde (FMS), onde atuava há 23 anos e, atualmente, ocupava o cargo...
Deixou de ser uma situação triste e caótica para se transformar em um drama de sobrevivência a vida dos terceirizados contratados pelo ex-prefeito Luciano Leitoa através da empresa Mega on, que alega não receber os repasses para saldar débitos de quatro meses de salários atrasados. Enquanto centenas resistem indo trabalhar cumprir suas tarefas do dia-a-dia mesmo sem receber um centavo, outros estão indo a lona nocauteados pela insensatez do ex-prefeito e da atual governante de Timon Dinair Veloso, que fecha os olhos ao problema entendendo que isso não responsabilidade sua. Ontem, 12, em Whatsapp ao blog um terceirizado disse ter desistido de receber os atrasados ou permanecer trabalhando sem receber e pediu demissão, mesmo sabendo que em valores perderá metade do que conseguiu amealhar com o tempo trabalhado e esse deve ser o caminho de muitos terceirizados que têm família pra sustentar e não aguentam mais ficar sem dinheiro. Parece até que tanto o governo quanto à empresa estão forçando essa casta de miseráveis a esse fim: pedir demissão para não receber o que lhe é devido de direito. Na ponta de tudo isso, está a imprensa, que no caso do blogdoribinha, se sente impotente no aspecto de busca de soluções como desejam os signatários das denúncias, do outro lado está a prefeitura e seus gestores passado e atual, que insensíveis aos problemas desses miseráveis, tratam os como lixos humanos. No meio disso tudo os órgãos fiscalizadores, como o ministério público, por exemplo, incapaz de agir em nome da sociedade que eles dizem ser os verdadeiros guardiões. Tudo balela!