Título de terra falso entregue pelo prefeito Luciano Leitoa é alvo de investigação da polícia

spot_img
Compartilhe:
Título de posse de terra questionado na Justiça

O Título de Direito Real de Uso com documentação falsificada dentro da Prefeitura de Timon é alvo de mais uma investigação, desta vez um inquérito policial vai apurar a falsificação de documentos públicos. A aposentada Maria Diva Lima Monteiro, que em maio do ano passado, recebeu das mãos do prefeito Luciano Leitoa e do secretário de Planejamento Tião Carlos titulo de Direito Real de Uso de imóvel de 1 hectare, mas que depois descobriu-se que o título foi forjado com documentos falsos, segundo denúncia dos proprietários dos lotes, deverá depor hoje, pela manhã, no 2º Distrito Policial, segundo informações repassadas ao blog.

Dona Diva já depôs na Comissão de Sindicância aberta dentro da Prefeitura de Timon para apurar a falsificação de documentos na Secretaria de Planejamento, mas de acordo com ela, “nunca adulterou e nem falsificou documento com intuito de levar vantagem, que se ocorreu falsificação na documentação que deixou dentro da Secretaria de Planejamento para confecção do CDRU, não foi por sua culpa”, informando apenas à comissão “que não sabe de nada”, disse a depoente.

Dona Diva em seu depoimento, também disse que vendeu os cinco lotes pelo valor de 88 mil reais para uma construtora, que no local determinado de Baixa do Coco, estava sendo construídas casas. O Juiz Welliton Carvalho, da Vara dos Feitos da Fazenda, a pedido dos proprietários, determinou a reintegração de posse (Veja  matéria exclusiva) e o Tribunal de Justiça do Maranhão, negou agravo de instrumento por parte da construtora, mantendo a decisão do juiz de Timon. (Veja matéria exclusiva)

O caso ainda segue tramitando na Justiça aguardando decisão e o inquérito policial instaurado no 2º Distrito Policial é mais uma peça nesse rumoroso caso de falsificações de CDRUs dentro da Secretaria de Planejamento.

 

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Vereador Thiago Carvalho participa e incentiva doação de sangue no Hospital Alarico Pacheco

Os vereadores Thiago Carvalho, Dr. Torquato e Da Luz do Sete Estrelas estiveram, neste sábado (26), no Hospital Alarico Nunes Pachêco, para realizar doação...

Quem matou Terceiro Waquim? A pergunta não cala!

Essa é a pergunta feita em todas às rodas de conversas em Timon. As pessoas, entre olhares, se cutucam e até se manifestam sobre a...

Imprensa desportiva mundial se rende ao talento de “Richarlison. Até jornal argentino: “golaço”

Camisa 7 do Brasil marcou os dois gols da vitória brasileira; Diario Olé, que costuma pegar no pé do atacante, faz elogios nas redes,...
Título de posse de terra questionado na Justiça
O Título de Direito Real de Uso com documentação falsificada dentro da Prefeitura de Timon é alvo de mais uma investigação, desta vez um inquérito policial vai apurar a falsificação de documentos públicos. A aposentada Maria Diva Lima Monteiro, que em maio do ano passado, recebeu das mãos do prefeito Luciano Leitoa e do secretário de Planejamento Tião Carlos titulo de Direito Real de Uso de imóvel de 1 hectare, mas que depois descobriu-se que o título foi forjado com documentos falsos, segundo denúncia dos proprietários dos lotes, deverá depor hoje, pela manhã, no 2º Distrito Policial, segundo informações repassadas ao blog. Dona Diva já depôs na Comissão de Sindicância aberta dentro da Prefeitura de Timon para apurar a falsificação de documentos na Secretaria de Planejamento, mas de acordo com ela, “nunca adulterou e nem falsificou documento com intuito de levar vantagem, que se ocorreu falsificação na documentação que deixou dentro da Secretaria de Planejamento para confecção do CDRU, não foi por sua culpa”, informando apenas à comissão “que não sabe de nada”, disse a depoente. Dona Diva em seu depoimento, também disse que vendeu os cinco lotes pelo valor de 88 mil reais para uma construtora, que no local determinado de Baixa do Coco, estava sendo construídas casas. O Juiz Welliton Carvalho, da Vara dos Feitos da Fazenda, a pedido dos proprietários, determinou a reintegração de posse (Veja  matéria exclusiva) e o Tribunal de Justiça do Maranhão, negou agravo de instrumento por parte da construtora, mantendo a decisão do juiz de Timon. (Veja matéria exclusiva) O caso ainda segue tramitando na Justiça aguardando decisão e o inquérito policial instaurado no 2º Distrito Policial é mais uma peça nesse rumoroso caso de falsificações de CDRUs dentro da Secretaria de Planejamento.