O ‘país mais feliz do mundo’ vai reabrir as portas para os turistas, mas não será nada barato

spot_img
Compartilhe:

Quem visitar o Butão, aos pés dos Himalaias, vai ter que pagar uma taxa de mais de R$ 1 mil por noite

Aos pés das montanhas dos Himalaias, na Ásia, o Butão costuma ser apresentado como “o país mais feliz do mundo”, graças a seu Índice de Felicidade Interna Bruta, criado pelo antigo rei Jigme Singye Wangchuck, em 1972. Mas quem quiser visitar essa monarquia a partir de 23 de setembro, quando as fronteiras para viajantes internacionais forem reabertas após a pandemia, vai precisar de mais mais que um sorriso no rosto. O turista deverá pagar uma taxa permanência de US$ 200, ou mais de mil reais, por cada dia no país.

É bem verdade que nunca foi fácil visitar o Butão. O país montanhoso, encravado entre China, Índia e Nepal, já era considerado um destino para poucos, já que a entrada de turistas só era permitida através de poucas operadores de viagens locais, sempre a tíquete médio alto (com gasto diário obrigatório de pelo menos US$ 200 por pessoa) e mediante ao pagamento de uma taxa de visitação diária, que durante mais de 30 anos foi de US$ 65.

De acordo com as autoridades nacionais, o aumento da taxa será uma forma de compensar os impacto ambiental causado pelo turismo no país, além de aumentar o investimento no treinamento dos profissionais do turismo.

“Durante a pandemia, a Covid-19 nos permitiu repensar como o setor pode ser melhor estruturado e operado, mantendo as pegadas de carbono baixas”, disse Tandi Dorji, presidente do Conselho de Turismo do Butão e ministro das Relações Exteriores do país, em comunicado. Apesar de sua preocupação ambiental, a medida tem sido vista como uma tentativa de tornar o turismo no país uma atividade ainda mais exclusiva ao mercado de luxo.

Clique e veja a reportagem completa.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

De olho na interatividade com ouvinte, Rádio de Timon lança aplicativo, site e perfis em redes sociais

A Rádio Livre Fm 106.1 lança hoje, dia (28) uma série de novas plataformas para ampliar a interatividade com o público e disponibilizar a...

Estudante de jornalismo é encontrada desmaiada na UFPI e morre em hospital de Teresina

Uma estudante de jornalismo, de nome não revelado, morreu em um hospital de Teresina após ter sido encontrada desacordada nas dependências da Universidade Federal do...

Em café da manhã de trabalho, Timon e Caxias discutem duplicação da BR 316

Uilma Resende reuniu vereadores e representantes das duas cidades para discutir esse projeto, tendo em vista a nomeação de Cleiton Noleto para o DNIT-MA. Se...

Quem visitar o Butão, aos pés dos Himalaias, vai ter que pagar uma taxa de mais de R$ 1 mil por noite

Aos pés das montanhas dos Himalaias, na Ásia, o Butão costuma ser apresentado como "o país mais feliz do mundo", graças a seu Índice de Felicidade Interna Bruta, criado pelo antigo rei Jigme Singye Wangchuck, em 1972. Mas quem quiser visitar essa monarquia a partir de 23 de setembro, quando as fronteiras para viajantes internacionais forem reabertas após a pandemia, vai precisar de mais mais que um sorriso no rosto. O turista deverá pagar uma taxa permanência de US$ 200, ou mais de mil reais, por cada dia no país. É bem verdade que nunca foi fácil visitar o Butão. O país montanhoso, encravado entre China, Índia e Nepal, já era considerado um destino para poucos, já que a entrada de turistas só era permitida através de poucas operadores de viagens locais, sempre a tíquete médio alto (com gasto diário obrigatório de pelo menos US$ 200 por pessoa) e mediante ao pagamento de uma taxa de visitação diária, que durante mais de 30 anos foi de US$ 65. De acordo com as autoridades nacionais, o aumento da taxa será uma forma de compensar os impacto ambiental causado pelo turismo no país, além de aumentar o investimento no treinamento dos profissionais do turismo. "Durante a pandemia, a Covid-19 nos permitiu repensar como o setor pode ser melhor estruturado e operado, mantendo as pegadas de carbono baixas”, disse Tandi Dorji, presidente do Conselho de Turismo do Butão e ministro das Relações Exteriores do país, em comunicado. Apesar de sua preocupação ambiental, a medida tem sido vista como uma tentativa de tornar o turismo no país uma atividade ainda mais exclusiva ao mercado de luxo. Clique e veja a reportagem completa.