Governo Leitoa abre sindicância para expulsar agentes comunitários que fraudaram concurso

spot_img
Compartilhe:

O prefeito Luciano Leitoa autorizou realização de sindicância para expulsar do serviço publico municipal agentes comunitários de saúde, que segundo denúncia, teriam burlado iten do edital de Concurso Pública para atender requisito exigido no item “j”, do tópico 2, do Edital nº 001/2016.

De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial edição do dia 26 de fevereiro, a Comissão de Sindicância visa apurar denúncia contra servidores lotados na Secretaria Municipal de Saúde, ocupantes do cargo de Agente Comunitário de Saúde (ACS), por apresentar declaração falsa de endereço, com o fim de atender requisito para investidura no cargo de ACS; infringindo, assim, o requisito exigido no item “j”, do tópico 2, do Edital nº 001/2016, que regeu Concurso Público da Prefeitura Municipal de Timon-MA.

A portaria não cita quais os agentes estão envolvidos na denúncia alvos da sindicância aberta pela Secretaria de Administração atendendo pedido da Secretaria de Saúde.

De acordo com o edital do concurso em seu iten “j”,  dos Requisitos para os candidatos na investidura dos cargos, eles teriam que: “apresentar comprovante de que reside em Timon-MA na área da unidade da Estratégia de Saúde da Família (ESF) para a qual concorreu, desde a data da publicação do Edital do processo seletivo público, conforme especificado no subitem 1.7.2 deste Edital”, diz o Edital.

Dependo do grau de gravidade da denúncia contra os servidores e se constata a culpabilidade do dos “servidores”, eles poderão até serem expulsos do serviço público.

 

 

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

Ingrediente naturais são saudáveis para os cuidados com a pele   

Segundo especialista, para melhores resultados, o uso de produtos naturais na pele e nos cabelos deve ser conciliado à dieta   Os cuidados com a saúde...

Aulas na Rede Estadual iniciam nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão

Nesta segunda-feira (6), estudantes da Rede Estadual nas 19 Unidades Regionais de Educação do Maranhão retornaram às salas de aula. Para fortalecer as estratégias...

Projeto de Lei do deputado Rafael assegura acesso a medicamentos à base de canabidiol e similares

O Projeto de Lei 01/2023, de autoria do deputado Rafael, assegura o acesso a medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC) “às...
O prefeito Luciano Leitoa autorizou realização de sindicância para expulsar do serviço publico municipal agentes comunitários de saúde, que segundo denúncia, teriam burlado iten do edital de Concurso Pública para atender requisito exigido no item “j”, do tópico 2, do Edital nº 001/2016. De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial edição do dia 26 de fevereiro, a Comissão de Sindicância visa apurar denúncia contra servidores lotados na Secretaria Municipal de Saúde, ocupantes do cargo de Agente Comunitário de Saúde (ACS), por apresentar declaração falsa de endereço, com o fim de atender requisito para investidura no cargo de ACS; infringindo, assim, o requisito exigido no item “j”, do tópico 2, do Edital nº 001/2016, que regeu Concurso Público da Prefeitura Municipal de Timon-MA. A portaria não cita quais os agentes estão envolvidos na denúncia alvos da sindicância aberta pela Secretaria de Administração atendendo pedido da Secretaria de Saúde. De acordo com o edital do concurso em seu iten "j",  dos Requisitos para os candidatos na investidura dos cargos, eles teriam que: "apresentar comprovante de que reside em Timon-MA na área da unidade da Estratégia de Saúde da Família (ESF) para a qual concorreu, desde a data da publicação do Edital do processo seletivo público, conforme especificado no subitem 1.7.2 deste Edital", diz o Edital. Dependo do grau de gravidade da denúncia contra os servidores e se constata a culpabilidade do dos “servidores”, eles poderão até serem expulsos do serviço público.