Comissão de Saúde cobra urgentes providências para falha na falta de remédios de uso contínuo

spot_img
Compartilhe:

Mães relatam falta de atendimento para tratamentos básicos na Saúde de Timon

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Timon realizou na manhã desta terça-feira, 22, no plenário deputado José Ribamar Elouf uma reunião que contou com a presença de diversos vereadores, do promotor Antônio Borges, do secretário municipal de Saúde Marcus Vinícius, além de representantes de entidades de defesa dos direitos das pessoas com deficiência e de mães de crianças com deficiência.

Entre as principais pautas tratadas na reunião estão a falha na disponibilidade de medicamentos de uso contínuo, além de reclamações dos usuários quanto aos atendimentos às crianças com deficiência nos Caps. O presidente da Comissão de Saúde, vereador Drº Torquato, pontuou que há também a necessidade de que os médicos que atendem esses pacientes tenham registro no CRM do Maranhão, pois os pacientes tem dificuldades em adquirir medicamentos com as receitas médicas que não possuem o CRM do estado do Maranhão.

O promotor Antônio Borges ressaltou que os vereadores podem contar com o Ministério Público para buscar soluções para os problemas da Saúde no município de Timon. “Buscamos sempre fazer o que está ao nosso alcance e mirando a qualidade, a perfeição para o atendimento da saúde. Nesse sentindo o Ministério Público sempre será parceiro dos vereadores para a melhoria da qualidade de vida de nossa população”, destacou.

Umas das mães ouvidas durante a reunião foi Apoliana Gomes, que tem uma criança com deficiência e outra em processo de laudo. Ela ressaltou que seu outro filho ainda não foi diagnosticado porque ela não tem acesso a um exame básico na policlínica de Timon, um eletroencefalograma. “Não temos acesso a esse exame na Policlínica. Lá tem a máquina, mas não tem os fios e o gel, e isso não é de agora. Eu vou lá e a única coisa que eu escuto é que não tem previsão. Então eu não consigo fechar o diagnóstico dele porque não tenho acesso ao exame e nem tenho como pagar particular”.

Apoliana também denunciou que o CAPs infantil antes servia lanche para as crianças, que muitas vezes vem da zona rural e passam o dia inteiro para serem atendidas em Timon, e que agora não é mais disponibilizado às crianças. E sobre a falta de medicação ela explicou que desde maio de 2021 que as mães tem se reunido com o secretário Marcus Vinícius, mas que sempre foi explicado para elas que o problema era referente à empresa vencedora da licitação que não cumpriu o contrato. “Mesmo que tenha esse problema de licitação eu acho que essa é uma questão que deveria ser olhada como prioritária para a saúde do município, pois não podemos esperar, se trata da saúde das nossas crianças”, pontuou.

Compartilhe:

Talvez você queira ler também

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Propaganda

spot_img

Propaganda

Relacionados

- Propaganda -spot_img
- Propaganda -spot_img

Últimas

São Luís está entre os 20 destinos nacionais mais procurados na Black Friday, segundo a Decolar

São Luís foi apontada como um dos 20 destinos mais procurados durante a campanha de Black Friday da companhia de viagens on-line Decolar. A...

TRF1 aceita denúncia do MPF contra prefeito de Pinheiro (MA) e mais seis pessoas por fraudes e desvio de recursos

Eles responderão por crimes de responsabilidade, lavagem de capitais e organização criminosa, na medida de suas participações Por unanimidade, o Tribunal Regional Federal da 1ª...

Facebook deve restituir conta invadida e pagar indenização a usuário

O Juizado Cível e Criminal da cidade de Codó condenou a plataforma social Facebook a restabelecer a conta de usuário Tiago Tales Silva Sousa,...

Mães relatam falta de atendimento para tratamentos básicos na Saúde de Timon

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Timon realizou na manhã desta terça-feira, 22, no plenário deputado José Ribamar Elouf uma reunião que contou com a presença de diversos vereadores, do promotor Antônio Borges, do secretário municipal de Saúde Marcus Vinícius, além de representantes de entidades de defesa dos direitos das pessoas com deficiência e de mães de crianças com deficiência. Entre as principais pautas tratadas na reunião estão a falha na disponibilidade de medicamentos de uso contínuo, além de reclamações dos usuários quanto aos atendimentos às crianças com deficiência nos Caps. O presidente da Comissão de Saúde, vereador Drº Torquato, pontuou que há também a necessidade de que os médicos que atendem esses pacientes tenham registro no CRM do Maranhão, pois os pacientes tem dificuldades em adquirir medicamentos com as receitas médicas que não possuem o CRM do estado do Maranhão. O promotor Antônio Borges ressaltou que os vereadores podem contar com o Ministério Público para buscar soluções para os problemas da Saúde no município de Timon. "Buscamos sempre fazer o que está ao nosso alcance e mirando a qualidade, a perfeição para o atendimento da saúde. Nesse sentindo o Ministério Público sempre será parceiro dos vereadores para a melhoria da qualidade de vida de nossa população", destacou. Umas das mães ouvidas durante a reunião foi Apoliana Gomes, que tem uma criança com deficiência e outra em processo de laudo. Ela ressaltou que seu outro filho ainda não foi diagnosticado porque ela não tem acesso a um exame básico na policlínica de Timon, um eletroencefalograma. “Não temos acesso a esse exame na Policlínica. Lá tem a máquina, mas não tem os fios e o gel, e isso não é de agora. Eu vou lá e a única coisa que eu escuto é que não tem previsão. Então eu não consigo fechar o diagnóstico dele porque não tenho acesso ao exame e nem tenho como pagar particular”. Apoliana também denunciou que o CAPs infantil antes servia lanche para as crianças, que muitas vezes vem da zona rural e passam o dia inteiro para serem atendidas em Timon, e que agora não é mais disponibilizado às crianças. E sobre a falta de medicação ela explicou que desde maio de 2021 que as mães tem se reunido com o secretário Marcus Vinícius, mas que sempre foi explicado para elas que o problema era referente à empresa vencedora da licitação que não cumpriu o contrato. “Mesmo que tenha esse problema de licitação eu acho que essa é uma questão que deveria ser olhada como prioritária para a saúde do município, pois não podemos esperar, se trata da saúde das nossas crianças”, pontuou.